Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




...

por Lavender, em 29.10.15

Se queremos alguma coisa bem feita, tem que ser feita por nós mesmos.

Tenho dito. 

publicado às 19:11

Que vergonha..

por Lavender, em 13.10.15

Tenho uma cadeira em que o professor nos pede para escrever textos, sobre a temática dada em aula que depois é enviado para o mail do homem... Hoje na aula, o homem da-lhe para ler um dos meus textos em aula, morri de vergonha,estar a ouvir em voz alta, algo que eu escrevi. Ele não disse de quem era, mas eu senti-me tão desconfortável..

publicado às 23:47

Notas de uma Pseudo emigrante - Parte 2

por Lavender, em 12.10.15

Esta coisa de ter que viver numa casa com pessoas que não conhecia (sem ser o Moço), foi muito esclarecedor na medida em que vi como as pessoas conseguem ser mesquinhas.

Ora, a "dona" da casa era uma mulher com os seus 40 e tal anos, e repito 40.

Um dia cheguei eu do trabalho, era quase meia-noite e ia jantar, tinha feito arroz ao almoço por isso era só aquecer, não chegou a acontecer porque a dita senhora deitou o meu rico arroz no lixo. Sonsa. Até porque não devia de ter outra panela naquela casa. Sonsa, sonsa, sonsa. 

Okey, podem pensar que e tal, que a senhora não sabia, nem tinha boquinha para perguntar se era de alguém.

Caso número 2: Coloquei a minha roupa para lavar, mal acabou de falar a senhora chamou-se de forma muito estúpida e disse-me que já estava lavada para tirar, assim o fiz e coloquei na máquina de secar por vá 2 horas. Entretanto estava no sofá e ela faz o quê, passando essas duas horas? Não, não me chamou, pegou na minha rica roupa e jogou para o sofá. Sonsa, sonsa, sonsa, só de me lembrar fico logo irritada. 

Não tenho justificações possíveis.

Caso número 3: Estava a ver televisão ( coisa que mal fazia), e ela tirou-me o comando (não, não estava na mesa, estava nas minhas mãos) e mudou de canal. Levantei-me e fui para o quarto, deu-me uma raiva tão grande, que só conseguia deitar umas lágrimas de raiva. Sonsa, sonsa, sonsa.

E fico por estes três exemplos, que para mim foram o pior. 

Ninguém que me venha dizer que era inocentemente e que não era por mal, porque para mim isso não cola, ela era e é má e mesquinha e fazia-se de coitadinha, eu vejo-a como uma pessoa que aos 40 comporta-se assim. Claro que ouvi coisas como " ela já passou por muito na vida". Oi? E a vida não lhe deu educação? e " A casa é dela". Oi? Se o pessoal bazar, quero ver se ela vai andar com essas coisas. Sonsa.

Porque é que nunca andei no bate boca com ela? Não foi bem por mim, foi mesmo pelo moço, que não queria que lhe pusessem na rua, e só ia ficar lá aqueles 3 meses. 

Só para terminar, é mesmo sonsa. 

publicado às 20:38

Coisas que me fazem confusão

por Lavender, em 10.10.15

Pessoas que dão beijinhos na boca dos filhos, não, não e não me entra na cabeça.

publicado às 22:50

Friday... I'm in love

por Lavender, em 09.10.15

9775362803_2_1_1.jpg

Pull and Bear a 29,99

publicado às 13:32

Ai nossa

por Lavender, em 09.10.15

Foi um dia mau, mesmo daqueles maus, tive que sair a meio da sala de aula porque deu-me um ataque de choro (nunca me tinha acontecido tal coisa). Amanhã (que já é hoje) será muito melhor, espero eu, só de dormir e esquecer este dia.

publicado às 00:01

Aquele momento...

por Lavender, em 06.10.15

... Em que uma pessoa propõe um tema para um trabalho de investigação e a professora diz-nos que foi muito boa escolha. Assim até apetece.

FB_IMG_1444127071802.jpg

publicado às 11:34

Notas de uma Pseudo emigrante

por Lavender, em 05.10.15

Não posso considerar-me uma verdadeira emigrante, não sei porquê, acho que a emigração é outra coisa, é estar no desconhecido sozinha que nem bicho do mato, ter que procurar casa, trabalho, não ter nada nem ninguém.

Não foi o meu caso, sabia mais ou menos ao que ia,eram três meses, ainda não tinha trabalho, mas tinha lugar para ficar, o que não invalida o facto que se não pagasse renda estaria no olho da rua. 

Tive sorte, consegui arranjar trabalho num instante como empregada de mesa num restaurante que, ironicamente era Brasileiro, mas o pessoal era quase todo Português e muitas vezes eram uns cabrões uns para os outros, pareciam uns selvagens, não perdiam a mínima oportunidade para fazer queixinhas e coisas do género. 

Cheguei à conclusão que trabalhei numa cresce.

 

publicado às 18:24

Back to Basics

por Lavender, em 04.10.15

Ah pois é voltei, e voltei..

Bem tecnicamente voltei à quase duas semanas para o meu último ano de universidade.

Foram 3 meses de emigrante, contarei as minhas aventuras nos próximos capitúlos, cresci muito, chorei muito, cheguei à conclusão que sou mais forte do que julgava e aturei muita maricada que se fosse cá não aturava, mas as circunstâncias eram outras.

Me aguardem! 

525892_514410831927129_1461962590_n.jpg

 

publicado às 13:24


About Me

foto do autor